segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Usando as palavras certas.

Andei passeando por "shoppings" virtuais e verdadeiros esses dias, em busca de idéias para trabalhos, em busca de materiais, observando detalhes. Vi coisas feitas à máquina com boa qualidade, bom acabamento e, também vir coisinhas horrorosas a preços absurdos O_O.

É impressionante como o tricô tem facetas.

Tem gente que compra qualquer coisa, bem como tem gente que faz qualquer coisa. Vi uma ou outra peça feita à mão. Algumas realmente belas e que mereciam o preço cobrado por elas. Um xale muito bonito todo vermelho (que me parece ser a nova cor da moda futuramente), não pude tocar para saber o material empregado, mas me pareceu um acrílico mesclado, por R$150,00. Não achei tão caro não. Era feito à mão, um lace belíssimo em bicos que pareciam se movimentar. Não fotografei porque não gosto de fotografar coisas alheias em lojas, então apenas olhei.

O que me chamou a atenção, em algumas lojas, foi a profusão de "lã" escrita em algumas etiquetas e, por favor, nem de longe seria lã. Acrílico tem outro toque, é bem diferente, mesmo para mim com parca experiência. Pior era a descrição de "morair". Acho que a intenção era colocar Mohair, mas enfim...

Quanto às lojas virtuais, fiquei impressionada em como há trabalhos muito bonitos à venda na internet e realmente creio que as donas das "lojas" merecem o que cobram por seus trabalhos. Só que em algumas lojinhas a descrição do produto me deixou meio sem entender do que estavam falando.

Eu creio que se deve escrever exatamente do que é feito o produto para evitar mal-entendidos no público consumidor. Se for utilizada alpaca, deve-se dizer alpaca. E, se for algo como o fio sedificada, escrever simplesmente que é lã não me parece muito explicativo, pois se trata de mistura de acrílico e lã.

Da mesma maneira, acho bastante legal quando podemos ler nos rótulos a exata composição dos fios. Basta todo mundo explicar em seus anúncios que é feito com o fio tal que fica mais adequado. Mesmo que um eventual comprador não saiba diferenciar lã de acrílico, eu acho moral e eticamente correto que nós, artesãs (se é que posso me dar esse nome sem sofrer algum processo judicial de alguém que fique indignado com o uso de tal termo), que lidamos com materiais diversos, esclareçamos a quem for comprar algo de nós que aquilo que vendemos possui alpaca, merino, mohair, lã ou acrílico. Há ainda mesclas de poliamida, algodão...

Ou seja, além de cuidarmos de usar fios atentando para sua mescla, evitando trabalhos que fiquem ruins devido ao fio que se usa, também devemos, é minha opinião, informar ao comprador, e ao público, que fio foi o usado, para que se saiba o verdadeiro material que se está vendendo.

Transparência sempre foi boa política, não acham?

Em breve postarei fotos de meus últimos projetos terminados. Abraços a todos.

3 comentários:

Maria disse...

Seu comentário foi muito bom. Concordo plenamente.
bj e bom início de semana

Ana Paula disse...

Eliz: acredite você não é a única a pensar assim, às vezes fico pasma com os preços e com a qualidade das peças vendidas por aí. E olha que eu tenho amigas assim, que torcem o nariz para produtos feitos à mão, vão ao shopping e compram algo industrial todo torto e mal feito e acham que está ótimo...Sempre tive esse hábito: coloco nos meus tags a composição da linha e o modo de lavagem, igual do rótulo do novelo.
bjjuuss

Claudia disse...

Oi, Eliz!
Estava lendo seu post sobre o Baktus (que aliás estou LOUCA pra fazer), e queria dizer que a Sandra traduziu a receita. Vc sabia? está aqui:
http://tricoemaistrico.blogspot.com/2009/08/receita-baktus-traduzida.html
Já salvei pra fazer assim que der!
E que bom que vc gostou da ideia do meu vasinho de crochê :)
beijos e uma linda semana pra vc!