segunda-feira, 11 de maio de 2009

Um pouco de minha mãe e alguns agradecimentos

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer à Mônica por me ensinar a arrematar o meu cachecol em fio PomPom (igual ao Sense, com mais matizes). Graças a você, fiz algumas mamães felizes.

Como estão todas após o dia das mães? Espero que tenham aproveitado bastante e sido paparicadas, ou mesmo que tenham paparicado as respectivas mães.

A minha já faleceu há vários anos, quando eu tinha 26, só que agradeço a ela a pessoa que sou hoje. Minha mãe era uma grande guerreira. Ficou viúva muito cedo, e jamais se casou novamente. Quando eu tinha oito anos, meu pai faleceu num acidente de carro e minha mãe, que era apenas dona de casa, se viu às voltas com três filhos para criar e nenhum emprego em vista...

Ela sempre foi lutadora, tinha sempre sorrisos para nos dar e, se faltava um tanto de dinheiro, sempre sobrou muito amor e compreensão. Minha mãe me ensinou a ser forte sem perder a capacidade de ser doce. Ela me ensinou a me valorizar e a não esperar que outros passem a mão em minha cabeça ou que fiquem impressionados comigo. Eu aprendi a ser alguém que confia plenamente em Deus e que tem por decisão de vida aproveitar cada momento para ser feliz, pois a vida nunca pára.

Não tive a grata satisfação de ter minha mãe comigo muito tempo, mas o tempo em que a tive foi um grande presente.

No dia das mães, que foi ontem, não pude postar, mas hoje, gostaria de dizer que se eu me tornar um décimo do que foi minha mãe, se eu for metade da mulher centrada, lutadora e coerente que ela foi, já serei uma grande mulher.

Minha homenagem a todas as grandes guerreiras que são nossas mães, para que sejamos também grandes mães e para que saibamos o momento de acalentar e também o momento de não ser tão doce assim.

Parabéns a todas as mães.

Um comentário:

Maria disse...

Eliz,
Venho pela primeira vez visitar o seu blog e adorei. Me emocionei quando vc fala de sua mãe. Eu perdi a minha vai fazer 2 anos e nem sei te dizer como me sinto. Meu pai faleceu quando eu tinha 12 anos e minha mãe também batalhou muito para criar 2 filhas. Nunca se casou e dedicou-se somente a nós. Que saudades. Deixo a você um beijinho e visitarei sempre o seu espaço.